Brasil: Dilma derrotó el golpe mediático más sucio de Veja, O Globo y Folha
Objetivo: Falsimedia
Jueves, 30 de Octubre de 2014

Cubainformación TV – Basado en un texto de Rodrigo Vianna – Revista Forum (Brasil).- Dilma Rousseff y el Partido de los Trabajadores vencieron de nuevo en las elecciones de Brasil, haciendo frente a una feroz campaña de los barones de la prensa privada brasileña. Edición: José Ignacio Antón.

Ver este mismo video en Youtube

JW Player goes here

Texto adaptado

Brasil: Dilma derrotó el golpe mediático más sucio de Veja, O Globo y Folha

Cubainformación TV – Basado en un texto de Rodrigo Vianna – Revista Forum (Brasil).- Dilma Rousseff y el Partido de los Trabajadores vencieron de nuevo en las elecciones de Brasil, haciendo frente a una feroz campaña de los barones de la prensa privada brasileña.

El último de los golpes mediáticos fue un especial de la revista Veja sobre un supuesto caso de corrupción en la petrolera estatal Petrobras, que señalaba directamente a la presidenta Dilma y al expresidente Lula.

Con toda la intención, fue publicado el viernes previo a las elecciones, cuando la presidenta Dilma Rouseff tenía ya prohibido por ley rebatir su contenido.

El sábado, además, otros grandes medios brasileños, como O Globo y Folha, se hacían eco de lo publicado por Veja, con un objetivo clarísimo: recuperar para el candidato de la derecha Aécio Neves el estrecho margen de ventaja que, según las encuestas, mantenía Dilma.

Pero esta nueva campaña sucia de denuncias sin pruebas no tuvo efecto. La campaña de Dilma Rousseff se valió de una gran movilización de la militancia de la izquierda, y logró convencer a la mayoría del riesgo de perder las conquistas sociales de los últimos años.

Finalmente, las seis familias que hoy siguen controlando los medios de comunicación de Brasil salieron derrotadas. Para bien, sin duda, de la necesaria profundización de las políticas sociales en ese país, y también de la construcción de una nueva América Latina soberana y unida, actor fundamental en un escenario de mundo multipolar.

Texto original

Golpe midiático em marcha: Globo entra hoje no “escândalo” da “Veja”

Rodrigo Vianna – Revista Forum (Brasil).- A Justiça reconheceu o caráter eleitoreiro da última edição de “Veja” – e proibiu que seja feita publicidade da revista (leia aqui). Reparem: não se impede a circulação da revista, mas se proíbe que a edição cumpra seu papel nefasto de propaganda mentirosa a serviço do PSDB – às vésperas da eleição.

A decisão judicial traz alento. Mas não interrompe o golpe midiático.

Reparem também que a Globo, na sexta-feira, não deu qualquer repercussão à “denúncia” desesperada de “Veja”.

O JN fugiu desse terreno pantanoso. Por um motivo muito claro: Dilma, com seu duro pronunciamento contra o golpismo da Editora Abril, mandou um recado para Ali Kamel. A presidenta avisou que, se a Globo entrasse na aventura, teria resposta no mesmo tom.

Imaginem a seguinte situação: o JN embarca na aventura golpista de “Veja”, promovendo a leitura da edição impressa em rede nacional, por volta de 20h de sexta-feira. Menos de duas horas depois, Dilma abre o debate da Globo denunciando a própria Globo por golpismo.

Por isso, o JN fugiu do pau.

E, também, porque a revista da marginal não traz qualquer prova, nada. O texto da revista mesmo diz que os “fatos” narrados pelo doleiro não servem para comprometer Lula e Dilma (isso está lá no texto da revista – que me recuso a linkar). Ou seja, o texto faz a ressalva, mas a capa da revista da marginal serve como panfleto tucano.

Pois bem, esse era o quadro na sexta-feira…

Acontece que, neste sábado, Dilma já não terá voz para responder. Não há propaganda eleitoral. Não há debate. Os candidatos estão proibidos de falar. Mas a Globo de Ali Kamel está livre para agir – no limite da irresponsabilidade.

Do que estou falando?

A “Folha”, na edição deste sábado, deu manchete principal para a “criminosa” (nas palavras de Dilma) edição de “Veja”. A “Folha” endossou a denúncia de um bandido, feita sem provas, a 3 ou 4 dias da eleição.

Qual o objetivo dessa manchete da “Folha”? Oferecer uma saída plausível para que Ali Kamel e a família Marinho levem o golpismo midiático para o JN de sábado. No “Jornal Hoje” (hora do almoço), a Globo acaba de dar longa “reportagem”.

O golpe está em marcha. Pela Globo.

É assim que eles trabalham: operações casadas – como se pode ler aqui, num texto didático de Luiz Carlos Azenha.

Em 2006, eu estava na Globo. Azenha, eu e outros colegas acompanhamos de perto a cobertura enviesada promovida pela Globo no chamado escândalo dos “aloprados”. A Globo colocou Lula na defensiva: o aparato jornalístico global – durante 1o dias – abria espaço para que os candidatos Alckmin (PSDB), Cristovam (PDT) e Heloisa Helena (PSOL) perguntassem no JN “de onde veio o dinheiro para a compra do dossiê dos aloprados?”.

Era um massacre com ares jornalísticos. E era a preparação para o grande final… que viria logo depois.

Faltando 3 dias para a eleição de 2006 (primeiro turno), as fotos do dinheiro apareceram.

Na verdade, o delegado Bruno (da PF) entregou as fotos para Cesar Tralli, da Globo. Um produtor da Globo me contou que, quando Tralli mostrou o material bombástico, a direção da Globo (Ali Kamel) teria dito: “não podemos dar essas fotos sozinhos; seremos acusados de um golpe; só podemos dar se o delegado vazar também para outros jornais”.

E assim se fez: no dia seguinte,  o delegado Bruno chamou meia dúzia de jornalistas e entregou as fotos. A página do “Estadão” na internet logo publicou. Assim, o JN sentiu-se liberado para também noticiar o “fato” em sua edição, a 3 dias do primeiro turno.

O mesmo roteiro desenha-se agora.

Na sexta, a Globo fugiu do assunto: por cautela. Não seria bonito ver Dilma denunciando a Globo por golpismo dentro dos estúdios da Globo no Rio.

Mas nada como um dia depois do outro. O sábado chega, a “Folha” endossa a “Veja”, e assim Ali Kamel ganha o álibi perfeito: “poxa, virou um fato jornalístico, todo mundo está divulgando”.

Nessa tarde de sábado, essa decisão será amadurecida. Se houver chance de empurrar Aécio para a vitória, o JN levará a “denúncia” para o JN.

Um amigo jornalista – com mais de 30 anos de experiência – foi quem deu o alerta: “eles estão com o roteiro pronto –  da Veja para a Globo, com endosso da Folha”.

Segundo esse colega jornalista, a operação  se confirmada – “seria um fato ainda mais grave do que a manipulação do debate CollorxLula em 89″.

Se Dilma mantiver uma dianteira folgada nas pesquisas (Ibope e DataFolha) que serão concluídas nas próximas horas, aí o JN provavelmente será comedido: pode simplesmente ignorar a “Veja”, ou então pode tratar a revista da marginal de forma mais discreta…

Mas se houver qualquer sinal de que Aécio pode reagir, a Globo entrará pesado. Não tenham dúvidas.

A Democracia brasileira segue sequestrada por meia dúzia de famílias que controlam as comunicações.

Dilma mostrou, na sexta, que carrega com ela a coragem brizolista para enfrentar os barões midiáticos. Se conseguir a vitória, o confronto será mais do que necessário, será inevitável daqui pra frente.

Os golpistas tentam empurrar Aécio pra vitória, na marra. E se não conseguirem, já sinalizam que o caminho da oposição será o golpe jurídico-midiático.

O confronto está claro, cristalino. Não adianta mais fugir dele.

O golpe pode não vir no JN de hoje, se Dilma mantiver a sólida vantagem de 8 ou 10 pontos que aparece nos trackings internos deste sábado.

Mas o golpismo voltará a cada semana, a cada manchete.

É hora de tratar os barões da mídia como de fato são: inimigos! Não do PT e da esquerda; inimigos de um projeto social generoso, inimigos da Democracia.

Os barões da mídia representam o atraso, o preconceito, são o partido de direita no Brasil. Um partido extremista, que precisa ser enfrentado, e derrotado. Nas urnas e nas ruas.

 

Lo último

20 de Septiembre // 18:48
d Caracas, 20 de septiembre de 2019 - VTV.- El vicepresidente sectorial de Comunicación, Cultura y Turismo, Jorge Rodríguez, presentó este[...]
20 de Septiembre // 16:43
cuba-presenta-informe-anual-sobre-el-bloqueo-es-el-sistema-de-sanciones-unilaterales-mas-injusto-severo-y-prolongado-que-se-ha-aplicado-contra-pais-algunoa Cuba Hoy.- El Ministro de Relaciones Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, en Conferencia de Prensa, presenta el informe “Necesidad de[...]
20 de Septiembre // 16:00
orquesta-anacaona-culminara-su-gira-europea-en-sala-galileo-galilei-madrid-24-de-septiembre Cubainformación.- La orquesta femenina más famosa y longeva de Cuba, "Anacaona", culminará su gira europea de 2019 en la madrileña Sala[...]
Banner

La columna

ONU ante Venezuela: ¿merece un Saludo?

News image

Noel Manzanares Blanco – Cubainformación.- La 74 Asamblea General de la Organización de Naciones Unidas abrió sus puertas y su segmento de alto nivel sesionará entre el 24 y 30 del corriente. El “mayor enjambre diplomático mundial, reunirá a 193 estados, provocará cinco cumbres, al menos 560 reuniones oficiales y más de 1.600 bilaterales, y todo en una semana que cambiará el rostro de Nueva York, tomada por políticos, diplomáticos, funcionarios y fuerzas de seguridad”; al tiempo que su apertura se hará con un discurso António Guterres, titular de la ONU, otro —según la tradición— del jefe de Estado de Brasil, Jair Bolsonaro, y también con las palabras de Donald Trump, presidente anfitrión del cónclave (1).

Noel Manzanares Blanco | Viernes, 20 Septiembre 2019

Revista
Lo + leido
Recomendamos