Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Quem não tolera injustiças e está minimamente informado sobre o caso dos Cinco Heróis Cubanos que há mais de 15 anos foram presos nos EUA pelo “hediondo crime” de lutarem contra o terrorismo, todos os dias se lembra deles e das privações a que estão sujeitos. Mas a cada dia 5 e até à sua libertação incondicional, por todo o mundo se faz uma referência especial neste dia através dos mais variados meios de comunicação, apelando ao presidente Obama (Prémio Nobel da Paz) para que de uma vez por todas ponha fim a esta escandalosa injustiça.


A opinião pública norte-americana a quem durante anos se escondeu a verdade, começa a dar sinais de incómodo pela situação e já há várias organizações de carácter social que se juntaram à crescente onda de solidariedade para com os Cinco, realizando acções de divulgação sobre o julgamento de um processo eivado de irregularidades e mentiras que os levou à condenação. 

Mas a hipocrisia das autoridades norte-americanas continua a dar mostras de ter dois pesos e duas medidas, quando agora 66 senadores democratas, republicanos e independentes, acabam de enviar ao presidente Obama uma carta a pedir que confira prioridade humanitária para a libertação de Alan Gross, que cumpre em Cuba uma sanção de liberdade, este sim, por praticar actos de terrorismo. 

A propósito, a directora-geral da Secção dos Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal Ferreiro, emitiu a seguinte declaração: 

“O governo cubano reitera a sua disposição para estabelecer de imediato um diálogo com o governo dos Estados Unidos para encontrar uma solução para o caso do Sr.Gross sobre bases recíprocas, que contemple as preocupações humanitárias de Cuba vinculadas ao caso dos quatro cubanos lutadores antiterroristas que estão presos nos EE.UU.

Gerardo Hernández, Ramón Labañino, António Guerrero e Fernando González, que formam parte do grupo dos Cinco, cumprem prolongada e injusta prisão por delitos que não cometeram e que nunca foram provados. A sua prisão tem um alto custo humano para eles e seus familiares. Não viram crescer os seus filhos, perderam mães, pais e irmãos, enfrentam problemas de saúde e têm estado separados das suas famílias e da sua Pátria por mais de 15 anos”. 

Referiu ainda a directora Josefina Vidal: 

“O Sr.Alan Gross foi detido, processado e condenado por violar as leis cubanas, ao implementar um programa financiado pelo governo dos EE.UU., com o objectivo de desestabilizar a ordem constitucional cubana, mediante o estabelecimento de sistemas de comunicações ilegais e encobertos, com tecnologia não comercial. Essas acções constituem delitos graves que são severamente punidos na maioria dos países, incluindo os EE.UU.

Cuba compreende as preocupações humanitárias no caso do Sr.Gross, mas considera que o governo dos EE.UU. têm responsabilidades directas pela sua situação e a da sua família, e como tal, deve trabalhar com o governo cubano na procura de uma solução.” 

Desde sempre, Cuba tem estado disponível para num plano de igualdade dialogar com os EUA sobre todos os assuntos, mas com total respeito pela sua soberania e independência, não admitindo ameaças ou ingerências de qualquer espécie.

La Columna
Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Por ocasião do 90.º aniversário do Comandante-em-Chefe Fidel Castro, não tive oportunidade de escrever e de lhe endere&cc...
Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Cumpriu-se no passado dia 26 de Julho o 68.º aniversário sobre os assaltos ao Quartel Moncada em Santiago de Cuba e ao Quartel Carlos M...
Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Passa exactamente a 15 de Maio, o 66.º aniversário sobre a libertação do Presídio Modelo na Isla de Pinos - actual...
Lo último
La Columna
71 años de los asaltos
Gerardo Moyá Noguera*.-  Después de 71 años de asalto a los cuarteles Moncada y Carlos M. de Céspedes todos nos acordamos de aquella efeméride implacable y que fue muy dolorosa para la gran mayoría de lo...
La Revista