Artículo publicado en Novas da Galiza (en papel) del mes de septiembre 2021

Luisa Cuevas Raposo - Novas da Galiza.- Trás ano e meio sem falar de como Cuba enfrentou a pandemia do ponto de vista sanitário, nem da investigaçom que levou a dispor de 3 vacinas que já estám a ser utilizadas para imunizar a populaçom, ou da crise económica que atravessa a ilha devido à diminuiçom do turismo a praticamente 0 e ao recrudescimento do bloqueio por parte da administraçom Trump, este pequeno país saltou no passado mês de julho às primeiras páginas dos jornais, telejornais, redes sociais, tertúlias e declaraçons políticas ao mais alto nível.


O motivo, umha “revolta” fomentada do exterior através das redes, utilizando a objetiva má situaçom económica do país, a escassez e carestia de alimentos, a falta de medicamentos e o “cansaço pandémico”. O imperialismo utilizou o desespero da populaçom para tentar destruir o processo revolucionário mesmo fazendo que esses sectores, e outros da emigraçom cubana, pedissem umha “intervençom humanitária”.

Parecera que em Cuba nunca acontece nada, só quando aos meios do capitalismo e do imperialismo lhes interessa pôr o foco na ilha e manipular, incluso mentir, sobre a sua realidade. Entre os dias 11 e 14 de julho fotos de manifestaçons do Egito, Madrid e outras partes do mundo fôrom utilizadas como se fossem da Havana. Mesmo fotos de manifestaçons em favor da Revoluçom fôrom apresentadas como se fossem em contra. O nível de mentira, manipulaçom e agressividade alcançou a maior cota dos últimos anos.

Mas a sociedade cubana é umha sociedade viva, na qual se trabalha cada dia para, por exemplo, combater a cultura patriarcal. Criam-se cooperativas, há mudanças económicas, inova-se para paliar as consequências do bloqueio, implementam-se novas medidas para incrementar a produçom de alimentos, potencia-se o desenvolvimento local e mantenhem-se os serviços públicos, ainda com muitas dificuldades.

Cuba nom desatendeu nesta pandemia o seu compromisso internacionalista e enviou brigadas médicas a 26 países. E, ainda que semelhe que o trabalho da solidariedade cai em saco roto, Cuba recebeu nestes momentos de crise umha “invasom” de alimentos e insumos sanitários de umha cheia de países, nomeadamente da América Latina, da China e da Rússia. Na Europa desenvolveu-se umha campanha para enviar xiringas para vacinar e do estado espanhol conseguiu-se financiamento para comprar 4,3 milhons (boa parte da Galiza).

É certo que há muitas necessidades nom cobertas, muitas delas como consequência do bloqueio mas tamém outras por erros, como ali mesmo reconhecem quando falam de que a Revoluçom nom é perfeita e levam a cabo processos de debate e retificaçom.

Em Cuba som necessárias mudanças, com certeza, sem ingerências. Mas nom para voltar ao capitalismo e fazer da ilha outro estado dos EUA, senom para aprofundar no socialismo, na participaçom e na corresponsabilidade da cidadania nas decisons políticas e económicas. Cuba tem pendente lograr a sua soberania alimentar, depender menos do petróleo, da “monocultura turística”, mas ninguém dixo que fosse fácil construir o socialismo num só país, e menos numha pequena ilha bloqueada polo imperialismo.

Luisa Cuevas Raposo é militante internacionalista

Opinión
Luis Suárez Salazar - La Tizza
Mi bandera. Foto: Irene Pérez/ Cubadebate.
CubaSí.- Recibió un papelito así chiquitico, flaquito, una tirita de papel reciclado. Ni siquiera lo recibió, alguien lo dejó colgado, apretujado en la reja de su casa, junto al cierre de la puerta. Letra casi ilegi...
Lo último
La Columna
Fidel, protagonista intemporal
Ese pueblo al que despreciaban, ese pueblo de analfabetos, hizo una revolución tan profunda como no la había hecho todavía nunca antes ningún pueblo de América. ¡Y la hizo frente al imperialismo yanqui, que es...
Una clara advertencia
Cristóbal León Campos - Cubainformación.- La advertencia es muy clara, Europa enfrenta una cuarta ola de Covid-19 y algunos analistas pronostican en breve el inicio de un embate más, el llamado “viejo continente&rdqu...
La Revista